Olhar Inocente

 

Um olhar inocente é calmo como o Universo

Há quem diga que ele clama por inspiração

De algum ponto de partida

E de repente soa como a vida que fica

Num templo onde se juntam as mãos

Para uma escalada definida

 

Nenhuma lágrima turva um olhar inocente

Mesmo que o destino corra em via irada

Existe uma pungência de harmonia

Um contínuo porvir de coragem sedenta

Que toca a alma dos que ainda entendem

É como voar com uma asa em avaria.

 

Há horizontes no olha inocente de quem ama

É um pecado que chamam de livre pensar

Quem dará a paz fazer escolhas!

Pousar na alma de quem não crê e só fala

Há tantos pensamentos para poucas atitudes

Todos escritos e pobres folhas

 

Inocentemente mira-se a existência

Nada perturba as escolhas tão mansas

Nem a distância que já viajante

É nesta Terra que floresce os passos da sabedoria

Com ou sem compreender tanta dedicação

É possível viver para todo o instante.