Luzes

É porque a noite tem muita luz

Que a madrugada nunca dorme

Todas as madrugadas da vida

Passam a cogitar os sonhadores

 

Sobre o segredo de seus devaneios

Que ocultam sob o sol

Nas horas indolentes da vida e

Passando os dias a encaixotar tremores

 

Seriam tantos os medos

Se o no mundo não houvesse luz!

Tanto refúgio em asas duvidosas

E pouca música para tantos cantores.

 

Assim brilham todas as vaidades

De um modo fugaz e sorrateiro

Muito riso e pouca imaginação

Infelizmente seguem os predadores

 

Tão pouco sabe-se das cores da luz

Que basta a treva para morrer

Não cerre os olhos, não cale a boca

Para não perderes teus condutores

 

E quando a noite dança no silêncio

As luzes dos dias sagrados

Juntam-se às juras dos esperançosos

Fazendo dos segredos seus cobertores.