Ontem

Estas histórias que os homens contam

De passados que ainda não passaram

Continuarão a descrever o que já foi

Mas não conseguem contar o que ainda existe

Tão fácil falar de passados

Valores que os tempos não confirmaram

 

Quanto empenho em dedicar-se às datas

Elas jamais existiriam se estivessem sozinhas

É tão penoso pensar em histórias sem fim

Em tempos impossíveis de controlar

E tudo acontece ontem

Vidas, mortes e fugas, são ladainhas

 

Bem-vindos os dias que se repetem

As noites que arrastam sonhos imaturos

É quase fatal a dúvida de amanhecer

Quando o sol vai embora por trás das nuvens

É um querer tudo hoje

Tão antigo este ontem como todos os futuros

 

As histórias acontecem porque a vida exige

Não é acaso, não é destino, é um caos organizado

Que não sabe exigir direção

Vai deixando passar todos os passados

Para não reter nenhuma farpa

E se emendar num êxtase alienado

 

Pois é assim que a vida deve orientar-se

Sem alterar o bem e o mal que une a glória

Não existe um mundo que viva só de flores

Nem existirão dias que só guardam passados

Mas há tantas esperanças por aí...

Que é impossível não existir um pouco de vitória.