Como Fazer a Paz

 

 

Assim, repentinamente creio pouco

Que haja fé no absurdo

Mas se o dia for longo

Todas as vidas assim vivendo...

Creio em tudo o que me for dito

Que a dor passa com o tempo

Mas nunca o tempo traz uma dor

Aprendi

Que o impossível está disponível

Mas sem fé nada se dispõe... 

Assim, sensivelmente, sou até feliz

Posto que haja desafios

Pegadas para consertar

E a intenção humana para a paz...

Sorrir e compreender-se

Que o sorriso pode até ser triste

Mas a tristeza não sabe rir

Aprendi

Que o amor existe antes da matéria

Mas sem fé nada se concretiza 

Assim, indubitavelmente, existe a paz

Na sede que posso saciar

Na fome que posso suprir

Em toda a humildade que colho e dou...

Assim cultiva-se um pensamento divino

Pois nem sempre o aceno é adeus

Nem em toda despedida dá-se a mão

Aprendi

Que estar em paz é viver ao todo

Mas com egoísmo não se constrói paz. 

Que como mulher gesto a vida

Faço andar a inocência

Carrego o pranto das estrelas

E para a dor dou guarida 

Que como mulher sou as estações

Faço sorrir a paciência

Carrego o amor com as duas mão

E para as dúvidas gero opiniões 

Que como mulher cultivo a paz

Faço brotar a caridade

Carrego toda a esperança para o fraco

E tudo o que é mau ficará para traz.